10.7.07

Danças Interiores

Já me perguntaram mais do que uma vez porque escolhi dar uma nome tão depressivo ao blog. Fico algo espantada. Depressivo? Acham mesmo? Não foi de todo para dar aquele ar de coitadinhismo, vamos lá todos cortar os pulsos, que o mundo é um lugar frio e estamos todos sozinhos. É claro que todos temos os nossos momentos menos animados em que introspectamos sonhos e ideias que sabemos existir só e para sempre cá dentro, mas... por favor! daí a fazer disso um estandarte e ficar com o olhar perdido no horizonte cada vez que passa "aquela música" (categoria que entretanto já inclui umas 300) e não conseguir descolar a mão do queixo nem por força de diluente, isso é um caso diferente!
Há que esclarecer que o nome do meu blog nada tem a ver com estes estereotipos acima descritos. Em primeiro lugar fi-lo para homenagear uma música que eu adoro do Paulinho da Viola (1972) talvez mais conhecida pela interpretação de Marisa Monte, intitulada, precisamente, A Dança da solidão. Em segundo, porque acho um conceito lindo este de dançarmos todos ao som da nossa solidão. No fundo, é isso que fazemos todos os dias, mesmo aqueles que insistem que nunca estão sozinhos, há sempre um momento em que o nosso ritmo interior é diferente do que se passa à nossa volta. Momentos em que não estamos em sintonia com os sons e gestos que os nossos olhos e ouvidos recebem. Estamos todos "virados para dentro", mesmo que seja numa sala cheia de gente com o melhor dos nossos sorrisos estampado nos lábios. E o que é um blog senão a verbalização ou simples comunicação dessas danças interiores? Expômo-nos aqui como num diário, mesmo que nunca falemos de nós próprios. Posso estar a falar do filme que vi ontem na televisão e mesmo assim o leitor vê-me dentro muito mais claramente do que a pessoa que se senta todos os dias ao meu lado no trabalho.

Enfim, são fenómenos, mais ou menos conscientes. Acima de tudo há partilha. Danças isoladas fazem um baile? Claro que sim. Dançamos todos uns para os outros, por muito sós que pensemos estar.

10 comentários:

Carapaus com Chantilly disse...

Eu tenho dois pés esquerdos por isso nem futebol nem dançar mas como não tenho voz interior não há outra maneira senão "dançar" com os outros. Desde já as minhas sinceras desculpas...

P.S. Um nome verdadeiramente à coitadinho seria algo como; "Só... no escuro." ou "Eu e o meu blog." ou ainda "melhor": "Eu e o meu único amigo, o Blog." ou ainda "Enquanto choram, as pedras da calçada obrigam-me a escrever as curtas linhas que, com enorme esforço, do parapeito da janela escrevo antes de me afundar nas profundezas de um amanhã que teima em não chegar porque do fundo da tristeza e no meio da multidão nasce a palavra solidão."

Maria del Sol disse...

Muito alegremente me junto a esta dança solitária... porque outro dos reducionismos que o estereótipo "coitadinhista" implica é que estar só é sinónimo de estar triste. Quem disse que se têm apenas sentimentos negativos quando se está só? Ou que acompanhados somos sempre felizes?
Gostei da tua reflexão :)

curse of millhaven disse...

excelente reflexão, gostei mesmo de ler este texto.
sinceramente n convivo muito bem c a solidão. gosto mais de estar acompanhada. mas os nossos momentos de viagem interior podem ser maravilhosos. mas tb podem fazer-nos sofrer o dobro, e nós mulheres temos o dom de pensar em tudo, tudo, tudo.

eu sei q a minha paz, com a minha pessoa, chegará no momento em q eu consiga disfrutar melhor dos meus momentos solitários, quando puder dançar uma espécie de valsa interior. e não uma coreografia de body combat. lol

Carapaus com Chantilly disse...

É a pressão dos leitores a fazer-se sentir em Rosa! Agora que o blog atingiu níveis de popularidade extremos, torna-se dificil protelar as respostas a tantas questões:

porque é que o blog se chama como se chama? porque há tanta gente morta na barra lateral do blog? será a autora satânica? porque é que o link dos carapaus com chantilly está quase em último lugar?

O público quer saber!

ML

PS: curse, os homens também pensam... :(

curse of millhaven disse...

carapaus: sim pensam, mas n é a mesma coisa......... :P

Carapaus com Chantilly disse...

É sim! Até prova em contrário, a dor de cabeça que temos quando se pensa é igual para os dois sexos!

ML

PV disse...

Eu disconcordo! Então a senhora vem inquinar a comunidade blogger com honestidades? Terá por acaso consciência das horas passadas a montar palco, luzes e cenário a armar ao depressivo? Eu que até julgo que quase sofro quando escrevo... Tenha vergonha!!!

Rosa disse...

ML: em prol da manutenção do sucesso do blog, terei de me escusar a responder a essas questões, seriam no mínimo desilusórias e nós não queremos isso. Qto à posição do link dos Carapaus, é meramente estética e não hierárquica como se poderá pensar :p

PV: Cada um com a sua! Mas se te faz sentir melhor, sim estou coberta de vergonha, da cabeça aos pés, na verdade até estou a pensar usar uma burka nos próximos tempos. just for you ehehe

querercoisasimpossiveis disse...

O ML dos Carapaus queixa-se, mas a verdade é que ainda mais a baixo aparece o Querer Coisas Impossíveis - em ÚLTIMO!!!! E não me venham cá com estéticas, isto é claramente um boicote ao meu blog, que é um blog deveras interessante!!

Bom, agora que está reposta a justiça, falemos do post.

Triste, triste, é aquele que não consegue estar sozinho, que não consegue fazer coisas tão simples como ir ao café sem estar acompanhado.

Quanto à música, só conheço a versão da Marisa Monte que é muito boa e aconselho a todos os leitores deste blog que me despreza!

Cataclismo Cerebral disse...

As melhores danças são aquelas que fazemos sozinhos. Até porque, se errarmos nos passos, ninguém dá por isso! Depois de aprendidas, já se pode passar à fase seguinte: danças a dois. Até porque, para dançar um tango, são necessárias duas pessoas...

Bjs e continua com esta profusão poética! Gosto muito...