8.9.07

Lentes

As cores das coisas são sempre iguais. Ponho os óculos escuros, baixo-os e o mundo muda de tom, mas a cor é sempre a mesma. Não há grande surpresa. O azul torna-se azul escuro. O rosa torna-se rosa escuro.
Antigamente tinha uns óculos verdes. E antes disso tive uns azuis. Andava mais bem disposta nessa altura. O mundo era diferente. As cores misturavam-se. Um verdadeiro desafio à ordem natural das coisas.
Agora que decidi comprar uns óculos escuros, sem uma cor bem definida, ando desiludida com a previsibilidade cromática do mundo à minha volta.
Penso: como é que se pode aplicar este raciocínio às minhas relações interpessoais? Há sempre uma forma. Sempre me tentaram fazer engolir que a nossa forma de ver o mundo espelha de algum modo as nossas relações. É um tanto óbvio, não? Não é bem a descoberta de uma teora da relatividade... A forma como vemos o mundo está directamente ligada com a forma como nos relacionamos com as outras pessoas. Sim. Faz sentido. Até porque as outras pessoas fazem parte do mundo, não?
Ok, entrei na espiral. Estou tramada. Sempre que tento puxar de um raciocínio mais nonsense escorrega-me o calcanhar para esta espiral verborreica e era capaz de ficar aqui a noite toda a dizer nada.
Voltando ao início do texto, e para dar a ilusão de que esta divagação tem um mínimo de congruência, decido que a minha próxima aquisição vai ser uns óculos com uma lente de cada cor. Vou radicalizar a coisa. Se me der na gana, talvez arranje uns daqueles de cartão que se usavam nos anos oitenta para ver filmes a 3D (como o Monstro da Lagoa, o único de que tenho memória). E aí sim quero ver como isso se reflecte nas minhas relações interpessoais. My guess? Acho que vou de repente ficar sozinha. Ou então, se me distraio na estação do metro ainda me mandam uma moedinha para os pés_ coitadinha, pensam num nanosegundo, para depois me esquecerem para sempre. É isso mesmo. Sempre me fascinou a possibilidade de ser vista como louca sem o ser realmente (?!). Talvez seja mesmo isso: não só a minha visão do mundo é alterada pelos meus óculos de sol, como também a forma como o mundo me vê. Que conclusão brilhante.
Tenho de deitar estes fora, a minha vida vai mudar.

4 comentários:

querercoisasimpossiveis disse...

O melhor é não usar óculos e pôr uns óculos aos outros. Assim podemos vê-los, e eles não nos vêem a nós. Não sei se isto deve ser assim, mas sempre achei que era uma boa defesa.

Quando ficamos sózinhos, é sempre de repente.

(Se eu conseguisse escrever como tu escreves, talvez fosse uma pessoa mais feliz)

Carapaus com Chantilly disse...

Aposto que se, como é a tua resolução, escolheres não usar óculos, terás logo uma miríade de possibilidades cromáticas à tua disposição. Bem, não usar óculos salvo seja: se fosses míope como eu e não usasses óculos arriscavas-te a que todas essas possibilidades bonitas passassem por ti sem te dares conta :P Quanto aos óculos 3D, são apenas mais do mesmo, e não me parece que as pessoas precisem de um incentivo para não te compreenderem. «Te», no sentido impessoal, lato. Não estou aqui a sugerir, perante todos os teus leitores, que sejas doida. Pelo menos não antes de comprares os óculos 3D. Aí, sentido figurativo ou não, não há muita forma de contornar a coisa :P

ML

(e depois ainda há os óculos dos outros, mas isso é toda uma outra história)

Nyuu disse...

sendo os óculos (seja qual for a cor)apenas algo mais, que separa a tua real visão dos que te rodeiam....

love ya :)

CP disse...

o melhor mesmo é pintar logo o mundo e dispensar os óculos.