20.9.07

| note to self |

Enquanto os acontecimentos esperados constituem os nossos alicerces confiáveis, os inesperados são aqueles que mudam intrinsecamente a vida de qualquer um.

Incrível como passamos quase uma vida inteira a tentar construir algo, tijolo com tijolo, cimento e lágrima e de repente há um bombardeio inesperado que deita tudo por terra. Na estupefacção do momento tentamos recolher os destroços, apanhar as pedras, juntá-las, reconstrui-las no nada que agora nos rodeia. Não é possível. Tudo caiu por terra. A vulnerabilidade novamente.

O extraordinário é que em vez de lamentar a construção perdida, floresce um sorriso e dizemos abençoada bomba: não tinha reparado que a minha muralha tapava o mais lindo pôr do sol do mundo.

6 comentários:

Maria del Sol disse...

Não podia estar mais de acordo sobre a essência da verdadeira maturidade emocional: não é uma questão de folhas de calendário, mas de saber, cada vez melhor, lidar com os destroços de um suposto alicerce, sem renegar o que de melhor nos proporcionou nem a coragem para um novo começo desapegado. Quem conseguir a paz de espirito suficiente para tal, já não viveu em vão. E eu, que ainda estou tão longe deste estádio, espero conseguir resolver esta faceta de mim mesma num futuro não demasiado distante.

Parabéns pela lucidez deste post :)

curse of millhaven disse...

por acaso esse texto resume bem a minha última semana.
concordo plenamente.

ML disse...

Good to know, Rosa, good to know :)

Betty Coltrane disse...

Deixo-te um sorriso de plena compreensão. E mais não posso...

beijoca!! :D

Nyuu disse...

É Proibido

É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,
Não transformar sonhos em realidade.

É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.

É proibido deixar os amigos
Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.

Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.

(...)by P. Neruda

épá pulga :p, estava a vegetar no sofá no outro dia a ver uma série fantástica, que me colocou com mto custo o neurónio a funcionar (exagero, lol). Pensei nesta fantástico tema, realmente quando algo que nos acontece inesperadamente, leva-nos a mudar direcção, seja boa ou má... claro que nesta fase fabulástica que estou a passar, não estou mto contente com o inesperado :)...mas qualquer dia vou agradecer a mágoa e rir...

:( sou uma amiga desnaturada eu sei... assim que tiver mais recomposta ligo-te, sorry :)

love ya

Cataclismo Cerebral disse...

Lindo, absolutamente lindo...